O Museu

  • Sobre o Museu
  • Mapa
  • Recomendações
  • Downloads
O Museu

Bem vindos ao Museu Nacional de Belas Artes, o museu insígnia dos museus nacionais dependentes da Ministério da Cultura da Nação. Três grandes características fazem com que ele seja único. Primeiro, seu extraordinário patrimônio artístico: a acervo público mais importante do subcontinente. Das mais de 12 mil peças que compõem a coleção, destaca-se a de arte europeia do século XIX como a mais importante da região, e a de arte argentina que é a coleção número um do mundo sem dúvidas.

Nas 24 salas do térreo, o visitante se cruzará no seu percurso com esculturas de Barrias e de Rodin, com El Greco e Rembrandt, com a magnífica sala Goya, com a coleção de impressionistas e pós-impressionistas mais importante da América Latina, que começa com Manet e vai até Sorolla, passando por Van Gogh, Gauguin y Degas. No final do percurso, a seleção de obras primas de Pueyrredón, Sívori, Della Valle, de la Cárcova e os fantásticos Cándido López, entre tantos outros artistas.
O primeiro andar é dedicado à arte do século XX, mais à arte argentina e latino-americana, mas a arte internacional também. Suas salas de exposição reúnem vários mestres de vanguarda desde o início do século, como Klee, Kandinsky, De Chirico, Carra, Modigliani, Picasso e Léger. Além disso, obras de Rafael Barradas, Xul Solar, Pedro Figari, Joaquín Torres García, Emilio Pettoruti e Alicia Penalba. As tendências da pós-guerra são representadas por artistas como Nicholson, Fontana, Dubuffet, Henry Moore, Rothko, Pollock, Nevelson, Fautrier, Kemble, Sakai, Testa e Greco. Obras de Gyula Kosice, Julio Le Parc e Martha Boto passam pela arte óptica e cinética argentina. A arte argentina de 1960 a 1980 é mostrada através de obras de Ernesto Deira, Jorge de la Vega, Rómulo Macció, Luis Felipe Noé, Antonio Saura, Carlos Alonso, Antonio Seguí, Juan Carlos Distéfano, Edgardo Giménez e Marta Minujin, entre outros.
 Segundo, destacar o staff de primeiro nível que este museu tem e que se caracteriza não somente por sua excelência e profissionalismo se não também pela  paixão e a força que existe em todas as tarefas que encaram, começando pela restauração e a conservação de obras e montagens, até o manutenção e cuidado do edifício histórico. Em terceiro e último, para enfatizar mais uma vez que este é um museu nacional,  e como tal pertence a todos,  de entrada livre e grátis. Porque disfrutar da arte é para quem ama a arte e vem nos visitar sempre. Mas também para aqueles que vieram alguma que outra vez,  há muito tempo atrás, e mal se lembram da experiência. E, ante tudo, especialmente, para aqueles que ainda não vieram a este edifício que também os pertence por direito próprio. Bem vindos então, mais uma vez à alguns e por primeira vez à muitos outros, ao Museu Nacional de Belas Artes.

Mapa

Recomendações

  • Pode-se entrar até às 20h
  • É permitido tirar fotografias sem flash ou tripé
  • O museu oferece cadeiras de rodas para emprestar gratuitamente
  • Na área de informação localizada no salão de entrada está disponível para o público o livro de reclamações e sugestões do Museu
  • Modere o seu tom de voz e mantenha o celular em silêncio
  • "É permitido entrar nos salões de mochilas, sacos, malas de viagem e carteiras de menos de 40x40 cm. O Museu oferece guarda-roupa."
  • É proibido fumar no Museu
  • É proibido entrar no Museu com objetos pontiagudos
  • É proibido tocar tocar as obras exceto em atividades específicas onde é indicado o contrário
  • É proibido entrar no Museu com alimentos ou bebidas
  • Deixe o seu guarda-chuva no guarda-roupa

Downloads